Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, Brazil
Tenho 37 anos, sou evangélica, serva de Deus, mãe, esposa, filha e produtora editorial. Criei esse cantinho para conhecer pessoas novas, aprender com elas e me manter conectada com velhos amigos. Então, sejam bem vindos!

terça-feira, 20 de outubro de 2009

A Alegria da Colheita

Aqueles que saíram chorando, levando a semente para semear, voltarão cantando, cheios de alegria, trazendo nos braços os feixes da colheita.
                                                                                       Salmo 126:6



Thomas Johannes Bach, estudante de engenharia, certo dia caminhava por uma rua de Copenhague quando um jovem se aproximou dele com um folheto na mão.

— Aceita este folhetinho? perguntou o rapaz — ele tem uma mensagem para o senhor.

Olhando para o folheto, Thomas viu que era religioso. Não estava interessado e não gostou de ter sido parado na rua por causa disso.

— Por que você incomoda as pessoas com a sua religião? — quis saber ele — Sou perfeitamente capaz de tomar conta de mim mesmo. Como o rapazinho continuava com a mão estendida, Thomas pegou o folheto de modo agressivo, rasgou-o e colocou-o no bolso. O garoto virou-se e foi embora muito triste. Mas Thomas não conseguiu tirar os olhos do menino.

Dirigindo-se ao vão de uma porta, o jovem curvou a cabeça e orou silenciosamente. Thomas observava e percebeu que lágrimas corriam pela face do menino. O coração de Thomas foi tocado. Ali estava alguém que se importara tanto com sua alma, a ponto de oferecer-lhe um folheto, e ele o havia rejeitado. A partir daquele momento, a vida de Thomas tomou um rumo diferente. Em vez de tornar-se engenheiro, tornou-se missionário na América do Sul. 


Muitos podem pensar que o método usado por esse rapaz para evangelizar parece mais uma imposição de sua religião para com os outros e concluir que as lágrimas dele provinham de sentimentos feridos e não de preocupação pela alma de Thomas, outros ainda podem ver nas lágrimas do rapazinho um interesse genuíno pelas almas, como se estivesse clamando pela sua salvação. Por que não dar ao garoto o benefício da dúvida? Quem pode contestar o fato de que o Espírito Santo usou o menino para ganhar uma alma para Cristo? Estamos nós fazendo a mesma coisa por Ele?

Ao chegar o grande dia da colheita aquele rapazinho virá com alegria, trazendo seu "feixe" de almas! E nós?


Nenhum comentário:

Postar um comentário